quarta-feira, 7 de agosto de 2013



Mesmo não sabendo que era amor, sentiam que era bom.

Jorge Amado- Capitães da areia

Em uma bela manhã, Maria sai para passear com sua amiga Pietra e encontram Pedro, o menino mais bonito da escola. Pietra suspira numa forma de expressar o quão bonito ele é, e Maria sabendo que não tem nenhuma chance com o rapaz, diz:
- Ele não é tudo isso- murmurou- Qualquer uma tem chance.
Continuavam o passeio, quando Pedro olhou para Maria e piscou. A menina babando, quase se arrastou aos pés do rapaz.













Moral: Quem desdenha, quer comprar.

sábado, 3 de agosto de 2013

Por um país de todos


Para começar uma luta tem que ser dado o primeiro passo. E assim se deu o inicio de uma luta por direitos, pessoas foram às ruas manifestar suas frustrações contra a má administração do dinheiro público. Tudo começou com a insatisfação do valor do transporte público, que tem condições precárias e a partir daí a população brasileira abriu os olhos e viu que haviam muitos problemas a serem resolvidos: educação, saúde, segurança, inclusão e etc.
A população brasileira dá um pequeno passo a frente, mostrando que o país de todos, é aquele no qual as pessoas têm vozes para impor suas reivindicações e manifestarem-se por seus direitos. O transporte é um bom exemplo de problema público, pois é utilizado por uma grande massa da população e tem condições precárias de extrema lotação e preço muito elevado. Está sendo bastante reivindicado as melhorias e também um sistema de passe livre para estudantes – um projeto de inclusão principalmente para jovens carentes- no qual estudantes terão uma maior qualidade nos estudos, que geralmente encontram-se em lugares mais distantes, como nos grandes centros.
A saúde pública é outro tópico de grande expressiva nas manifestações, pois, agride a população carente em massa, muitas vezes colocando suas vidas em risco por falta de médicos, atendimentos, infraestruturas, remédios e afins. Uma solução vista pelo estado para resolver a questão de médicos, foi contratar médicos de outros países- sem necessidade de algum tipo de revalidação da capacidade de assumir a profissão- buscando sanar a quantidade de pessoas que utilizam os serviços. Porém, isso não resolve o problema, é preciso que o governo invista em médicos próprios do país, melhorando suas condições de trabalho, salários e segurança, assim, conseguindo que os mesmo se habilitem a trabalhar nos sistema público de saúde, o SUS.
Diante disso, é visto que a democracia brasileira precisa (e muito) ser reformada. O transporte é um abuso sem tamanho e a saúde é tão vergonhosa chegando ao nível de países não industrializados e longe do desenvolvimento. O estado precisa investir nos sistemas públicos, visando o crescimento econômico do país, que só será bem sucedido com um país de menor desigualdade social, melhor educação, saúde, segurança e um governo de ORDEM e PROGRESSO.